Sonhou a terra e nasceram os poetas. Tantos temas de amor! Tantos profetas! Fala-me de amor poeta, hoje há luar. Há pouco o sol nasceu e me acordou, longo vai ser o dia e ainda não passou. Consumo a claridade que me consome. Resisto.
Domingo, 22 de Maio de 2011
Amanhã

 

 

 

 

Num dia, longínquo e indeterminado nasceu a terra
Milhões de anos, sobrevivência, vida e morte
Morte e vida. Transformação
Crescei e multiplicai-vos. Assim foi feito
Crescei e matai-vos. Assim foi feito
Quem o disse? Não sei
Num mundo secular, repetitivo até à exaustão
Agarro-me como posso a alguma sabedoria
Mais uma ilusão tardia! Tenho de acreditar em mim
Chega o pôr-do-sol e logo é noite
Fico extasiada, incomodada, dilacerada também
Observo os dias, crédula, incrédula
Tal relógio dando horas, até parar sem corda.
 
Olho para trás e vejo nitidamente
A velhice surgir demasiado cedo
A pele, este invólucro de má qualidade não perdoa
Não se concilia comigo. Quem me desnuda?
Para quê? Rio-me de mim, das minhas fantasias
Breve é a vida e eu sempre a teimar viver o amanhã
Para a semana, no próximo mês, no fim do ano, talvez para o ano
É no hoje que vivo e é no hoje que vou morrer
Amanhã, sempre o amanhã, como um vício o tempo rasgo.
 
Acabei como tudo e todos. Serei reciclável?
Muda, marcada por tudo que vivi e não vivi
Pertenço-me integralmente! Ninguém me alcança já
Quem me observa? Quem curiosamente me observa?
Ninguém queira saber quanto chorei ou ri
Ninguém ouse argumentar sobre a minha felicidade
Ou comovidamente dizer o que sofri
Quem sabe de mim? Ninguém, mesmo ninguém
A alma restou calada, o corpo foi morrendo
Hoje parou só, sem corda. Inevitável!
As vossas palavras são inúteis, distraídas, nada traduzem
Meditareis talvez sobre o tempo que vos resta
Ofereço afinal alguma sabedoria a quem a quiser guardar!
É gratuita.
 
Tenho pena de alguns gestos retidos,
Beijos contidos, olhares parados
Dias vazios, sem planos, sem amor, sem nada
Nada de nada é o termo
Andei distraída, confundida, apressada
Sempre o relógio a marcar o meu tempo inquieto!
Vivi num paraíso de palavras
Amanhã se verá! Não é? Sempre o amanhã…
 
Aida Nuno O3.04.2008
 

 


sinto-me:

publicado por criar e ousar às 19:03
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
E-mail
posts recentes

Os demónios

A Voz das Palavras

Mocidade

Amanhã

Sol de Inverno

A Pedra

Dá-me a tua mão

Meu Filho Primeiro

Pássaro Azul

Ciclo da Fome

Elevação

Esta terra onde habitas

Ilusão

Que Futuro?

Interrogações

Imagens

Tão ao de leve...

Bagatelas

Mãos

Preguiça

Ambição

A Espera

Silêncio

A Máscara

Resgate

favoritos

E o que Fazer?

Partilhar

Aos nossos Filhos

Valorizando a Vida

Mensagem

Os Cristos no Mundo

Ambição

Emigrantes

Afectividade

A Ausência

arquivos

Novembro 2012

Outubro 2011

Setembro 2011

Maio 2011

Dezembro 2007

Outubro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

tags

todas as tags

links
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
14.02.07
blogs SAPO