Sonhou a terra e nasceram os poetas. Tantos temas de amor! Tantos profetas! Fala-me de amor poeta, hoje há luar. Há pouco o sol nasceu e me acordou, longo vai ser o dia e ainda não passou. Consumo a claridade que me consome. Resisto.
Segunda-feira, 21 de Maio de 2007
Que Futuro?

 

Quebrando as ondas, desmaias em brandura

Intranquila é a nudez com que te vestes

Em praias descrentes de novos horizontes

Diz-me para onde elevas o teu olhar?

Qual a esperança que ainda te impulsiona?

 

Alerta! Alerta, em espanto, eu escuto

As preces, as dores que te acompanham

Como te choro! Oh terra seca e árida!

Esperando, convicta, ver do céu cair a água.

 

Da terra rumo ao mar. Tantas miragens!

Sabem a sal as lágrimas doces de amargura

Continuaremos derrotados pela barbárie

Levantam-se muros indiferentes de loucura.

 

Tempo de milagres e rezas. Crenças!

Continuam cercando a lucidez das almas

Conquistas imutáveis! Quem sangra?

De joelhos, de mãos postas, nesta espera?

 

                                                           Aida Nuno

 


sinto-me:

publicado por criar e ousar às 17:32
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
E-mail
posts recentes

Os demónios

A Voz das Palavras

Mocidade

Amanhã

Sol de Inverno

A Pedra

Dá-me a tua mão

Meu Filho Primeiro

Pássaro Azul

Ciclo da Fome

Elevação

Esta terra onde habitas

Ilusão

Que Futuro?

Interrogações

Imagens

Tão ao de leve...

Bagatelas

Mãos

Preguiça

Ambição

A Espera

Silêncio

A Máscara

Resgate

favoritos

E o que Fazer?

Partilhar

Aos nossos Filhos

Valorizando a Vida

Mensagem

Os Cristos no Mundo

Ambição

Emigrantes

Afectividade

A Ausência

arquivos

Novembro 2012

Outubro 2011

Setembro 2011

Maio 2011

Dezembro 2007

Outubro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

tags

todas as tags

links
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
14.02.07
blogs SAPO